Templates da Lua

Créditos

Templates da Lua - templates para blogs
Essa página é hospedada no Blogger. A sua não é?

sábado, 9 de dezembro de 2017

+ um conto

Conto: Familia Para: Gaby, Jaqueline, Andreza O balanço ia alto e o menino sorria mais forte cada vez que o balanço subia parecia uma festa; a garota que empurrava o balanço era Etienia e o menino era Otávio ainda eram crianças se divertiam pelo mundo a maior parte do tempo no campo. ETienia era uma mocinha bonita e esperta ela mesma tinha feito o balanço que agora brincava com seu irmão. Com três anos completados no São João daquele ano Otávio se encantava com tudo, mais sabia de alguma forma separa o joio do trigo. O sol alumiava aquela manhã que de boba com a cena ventava suave, fazendo as plantas e as folhas da arvore da mangueira se mexerem. A arvore onde foi colocado o balanço era velha tinha visto muita coisa foi debaixo daquela fruteira que as crianças junto com o pai e a mãe comemoraram a vitória do Brasil na final da copa do mundo de 2002 era domingo de uma manhã gostosa de inverno, lá também o pai das crianças chorou ao saber do impeachment da ex-presidenta Dilma tempo depois e onde sua esposa sorriu pela primeira vez depois que descobriu que estava gravida da doce Etienia. - Otávio vai chamar teu pai no curral pra gente comer o desjejum já faz um tempão que ele foi pegar leite da vaca. Falou da varanda Dona Penélope. - Deixa que eu vou mãe, que Otavinho ta fedendo a carniça ECA! a menina repondeu ao invéns do menino enquanto sorria do irmão - Mentira Mãe! Tudo dia eu me lavo com sabonert na cocachoeira1 falou o menino pra se defender. - Eu sei meu filho! -respondeu a mãe- vem cá então pra gente agua o jardim pra sos passarinhos vim cantar enquanto Etienia vai chamar Dijanilson pra noiz comer. A menina foi chamar o pai que a recebeu com um abraço puro; pra varia Nossa senhora da penha abençoou aquela família que viviv a longe de tudo perto do amor. Humberto de Maria 08/12/2017

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Conto feliz!

Conto: Jovem Tarde de Primavera Para: Gaby, Jaqueline, Presidente Temer, Papa Francisco “ as misericórdias do Senhor! eu cantarei. Eu cantarei” ( kely Patricica) O coletivo se ia devagar do centro da cidade até o outro bairro, olhando pela janela a moça pensava em paz, e sorria tão sem pressa um riso doce da cor da esperança. De bondade Deus deixava o sol um pouco menos quente pra tarde se passa bela até a noite vim. Ao chegar no bairro a moça foi pra casa do menino que fazia parte do grupo que rezavam pedindo a deus coisas pra humanidade toda semana na igreja, mais nessa tarde eles iriam se reuni pra se confraterniza e viver o bem que é ser de Jesus Cristo. Eram por volta de seis jovens que estava sobre as graças de Nossa Senhora da penha, se divertiam sem se preocupa com os despautérios da modernidade onde mais de 200 egípcios foram mortos em um atentado, coisas tristes, que ficam distantes deles porque servem a deus com louvor numa profunda melodia suave onde o bem parece musica e termina num sorriso. A moça com seus gestos e modo de falar parecia que dançava e envolvia o ambiente numa alegria boa de ser viver, o surfista ficava a olhar para moça sem que ela percebe-se e tentava de alguma forma falar alguma coisa pra chamar a atenção da moça bela como não conseguiu, ficou olhando seu sorriso que dançava pela tarde. Galera vamos assistir um filme de pirata? propôs Aguarmenom. Todos concordaram e passaram a tarde ea primeira hora da noite assistindo filme e comendo pipoca com coca&Cola. Humberto Filho 30/11/2017

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Conto de novembro

Conto: Menina Doce Sorria ao receber o abraço da doce menina; e de bobo esqueceu de dizer que a menina estava linda naquela noite primaveril onde o satélite natural da terra enfeitava o céu junto com um moi de estrelas brilhantes de varias cores. O mundo naquele instante celebrava os 500 anos anos do protestantismo e os 100 anos da revolução russa. Mais o escrito e a menina doce não se importava muito com isso; o escritor escrevia feito uma criança e a menina doce vivia pra ser feliz e fazer os outros felizes. O abraço se deu na capela do santíssimo onde o divino amor abençoava os jovens intercessores que de simples pediam graças pra o povo que Deus sempre amou. Ao vé isso, Nossa Senhora Mãe do menino Jesus, disse assim pra Cristo : -Que bom! Meu filho que o amor ainda é amado no brasil. Tudo depois foi bondade no mês de novembro. Humberto de Maria 10/11/2017

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

conto na primavera

Conto: Jovens Louvores Para: Gaby, presidente Temer, rainha Elizabeth II. A cidade permanecia bela, o Sol tal qual carinho bom, esquentava a terra que acordava sorrindo pra viver a manhã. por volta das 6:00 horas os jovens adoravam e louvavam o bom deus o Ressuscitado Jesus de Nazare! A vida era boa pra eles, Jesus e Nossa Senhora cuidavam para que nada de mau acontecer . e assim viviam sem se preocupa com nada sabiam que só Deus basta! Juscelyno era o mais novo daquela galera tinha 13 anos, todo domingo de manhã se reuniam na capelinha de Nossa Senhora da Penha, que ficava em um monte na praia da penha, passavam a manhã adorando Jesus hóstia santa. O vento balacavam os coqueiros enquanto cantavam musicas de louvores; ate uns passarinhos que estavam ali perto se arriscaram a cantam também as musicas que escutaram os jovens humanos cantarem pra Deus. Alycia sorria ao escutar a musica, e juscelyno sorria praquele sorriso. Depois de Jesus Cristo , o sorriso daquela garota era o que ele mais gostova. Quando deu meio-dia acabou adoração e Juscelyno desceu as escadarias da penha, e foi tomar banho de mar, a mare tava baixa, o menino pulou na agua e nadou e nadou foi 74 metros mar adentro, mais voltou a estava cansado. Sentada na areia da praia tomando agua de coco e olhando o menino Alycia sorria. Humberto filho 16/11/2017

sábado, 11 de novembro de 2017

Conto da madrugada

Conto: Vento, valsa primavera. Para: Leiliane shalom, Roberta Os olhos inocentes a baila pelos pares de adolescentes que felizes celebravam a vida no balie da primavera daquele ano; enquanto a musica era tocada no gramofone super potente. Cristhian Eduard e Elizabeth Thâmela pareciam que flutuavam tal qual a graciosidade que executavam os passos da dançar pelo salão. As pessoas que não estavam dançando batiam palmas pra eles, que não se importavam com isso e sorriam junto com os outros pares de casais. Os olhos inocentes há bailar pelo salão acharam o doce casal que dançavam alegrando o salão . E sorrindo de boba a menina de 9 anos irmã de Elizabeth Thâmela falava pra outras crianças que assistiam o baile com ela. ‘”Eita que eu não entendo esses dois na escola brigam muito e aqui ficam tapiando dançando bonito desse jeito” Kkkkk. A molecada riu engraçada ainda estavam aprendendo sobre o maior clichê do amor. Humberto Filho 09/11/2017

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Crônica: da cidade

Crônica: dia das Crianças Feliz dia das crianças Bambinada, a inocência é tão infantil que sorrir de simples de vé a beleza do Sol. Sabe crianças dias desses uma cria da sua espécie estava aprendendo a sorrir, quem ensinou foi a Mãe: - Ri José! assim dizia a mulher depois dava uma farta gargalhada e o Menino ria tão gostoso que os cachos amarelos de seus cabelos brilhavam mesmo debaixo das luzes artificias da noite. Saber crianças a vida é linda crescer é um processo que infelizmente vocês terão que continuar. OXÉ! Tou falando leseira! Na terra da alegria; criançada bora solta pipa é tão bom, mais cuidado, com os carros, as vezes um moi de pequerruchos correm desembestados atrás da pipa que se solta pelo ar , depois do combate. Molecada a bica ta cheia de bicho tem intem; leão, macaco e elefante. Gente pequena quando forem a praia não façam buracos muitos grandes na areia por que ser quiserem podem seca o mar colocando a agua dentro do buraco. Mais , mais do que tudo amem Painho e Mainha, que numa simplicidade de vida vivem feitos crianças para amar e crescer a cria que deram ao mundo. Humberto Filho 12/10/2017

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Conto de Outubro

Conto: Doce Menina Para: Adriana ( Sonho Bom) Os olhos da doce menina avistava o horizonte, o sol ao longe brilhava; as nuvens de uma brancura imensa deixava o céu uma maravilha de se vê; vez por outra um bando de pássaros cruzavam o espaço aéreo. O vento que vinha do horizonte soprava junto da menina que sorria mostrando os dentes tão alvos, de uma preta, tão linda, tão pura. Nas usa mãos um terço era rezado, mais sem perde de vista os bodes e cabras que ela pastoreava em uma das muitas da Serra da Borborema. A doce menina era simples não gostava da metrópole; uma vez foi de férias pra cidade de São Paulo pra casa de sua tia. Mais não gostou do lugar, vivia chorando com saudade dos bichos que cuidava e de Ciço seu amiguinho que contava estrelas com ela de noite, e que batia palma toda vez que uma estrela cadente cruzava o céu. Adoce menina só tinha um desejo, que fazia questão de pedira Jesus toda vez na capela da igrejinha depois da missa. Ajoelhada diante do santíssimo com o rosto cheio de felicidade a menina pedia: ‘ Bom Deus! criador de tudo, fazei com que meus Pais arrumem dinheiro, pra compra uma roda-gigante, pra eu e meus amigos brincar no domingo, que é dia santo!. Foi Mainha que disse pra mim, antes d’eu aprender afala. Me ajudar Jesus. Obrigada! Ter amo!” rezou a criatura de deus. Dois meses e quinze dias depois a doce menina me contou essa história, enquanto eu tirava um retrato da roda-Gigante do sitio e enviava para o WhatsApp da minha namorada que morava no ceara. Humberto de Maria 27/10/2017

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

conto da tarde

Conto: Primavera romântica Para: Ni, Evelyne shalom. Pela manhã Geyse estudava em Pirpirituba; ia de ônibus escolar que passava de 6;0 horas a aula começava de 7:15, dava tempo de chegar antes do sinal tocar. Antônio augusto não estudava tinha desistido quinze dias antes da páscoa. Preferia ficar passeando pelo sitio, andar de cavalo, tomar banho de rio e ficar tapiando ( trabalhando) no roçado até Geyse chegar da escola pra os dois namorarem. De meio-dia a garota chegava do colégio e ia almoçar e se banhar no rio, depois esperava um tempo e ia pra casa de Antônio Augusto. E assim a tarde se ia com os dois explorando o sitio e se divertindo numa amor bom de adolescentes. Gostavam de ficar sentados debaixo do pé de manga rosa; pensando na vida e namorando pra todo sempre, pra toda vida. - Geyse! tou pensando aqui, vamos casar no fim do ano? Perguntou derepente Antônio Augusto depois de da um beijo quente na sua mina. - OXe! Deixa de ser besta! Respondeu a menina em seguida corou- Meu lindo ,casar só depois que eu terminar meus estudos e a faculdade de medicina. Tu vai me esperara né!?perguntou Geyse fazendo beicinho. - Só se tu me de aquele beijo, que tu me deu quando eu te levei pra vé a praia de cabo branco ano passado. Respondeu Antônio Augusto. O beijo dado pela moça se prolongou por 4 minutos 35 segundos e centésimos , no mesmo instante que um míssil da Coréia do norte atravessava o espaço aéreo do Japão e o mundo ficava em pavoroso tremendo; será que vai ter mais uma guerra? Que nada paz era o que o doce casal sentia, Deus cuidava deles e tambem cuidar das outras pessoas. No fim da tarde se despediram amuados; Geyse foi pra casa estudar, viver um pouco da noite e depois dormir, coisa normal pra uma menina de 13 anos , Antônio Augusto de 17 foi da comida e recolher o cavalo e quando a noite começou a ficar bonita foi pra casa de farinha nas Guaribas e passar a noite toda mexendo massa no forno pra fazer beiju e farinha. Humberto Filho 11/10/2017

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Conto de Primavera

Conto: procissão de Santa Rita Foi assim, tarde já flertava com o crepúsculo que vinha graciosamente ganhar o dia e deixa a noite livre a se mostra pra cidade. O Negro junto com umas garotas amigas sua iam pra procissão; gostavam de reza de vé a fé nos olhos das outras pessoas. Dir-se-ia que nesses dias onde a festa que os humanos. Faziam em homenagem a Jesus Cristo. O céu se abria de alegria e Deus em sua bondade infinita derramava sua misericórdia e sua graça sobre aquela gente de todo tipo : branca, policial, preta, medico, puta, professor, bêbado, religiosa. A igreja onde ia começa a procissão estava repleta de pessoas; em sua maioria simples; sabiam do mundo que a terra era boa, que os humanos viviam cordialmente acreditando que gentileza gera gentileza e que Deus do céu esta a olhar seu povo. Nesse instante o pensamento do Negro foi interrompendo pelo cortejo que trazia a imagem da Santa. Em frente da igreja paramentado com as roupas de sacerdote, o Padre meio que extasiado pela beleza do fim de tarde que recebia Santa Rita, a santa das causas impossíveis. O Padre de braços abertos com um sorriso no lábios, divagava ao sentir o amor de Deus vivo tão sublime e simples. Depois a procissão começou e os nativos da cidade saíram em festa louvando a Jesus e honrando sua Mae maria, cantando musicas de alegria em diversos trios elétricos, varias grupos cantavam musicas, e a multidão em festa ia seguindo esses trios. O Negro unto com Isabel sua pequena, acompanhava a procissão e se divertiam com aquela gente simples, que viviam de ser feliz. Ao chegar no santuário teve uma missa, Jesus hóstia santa se deus praquele povo. Ao final da missa Isabel ficou encantada com tudo aquilo; e depois de beija o Negro disse assim pra ele antes de se despedir: Joaquim, já tou contando as horas pra chegar logo a festa e missa de pentecoste, vai ser bonita igual a essa”. No céu Nossa Senhora mostrava pra Jesus a inocência daquele casal de jovens do brasil. Humberto filho 30/05/2017

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

conto de outubro

Conto: Primeiro Osculo Para: Ni, Evelyne shalom, Ytilla “Beijo por beijo, sonho por sonho, carinho por amor, paixão por paixão” ( Jorge Augusto) A Igrejinha ficava no alto do morro, pra chegar até lá, Willian tinha que subir a ladeira 70 metros de pura subida; a cada passo que o menino dava pensava no mundo e na possível Guerra da Coréia do Norte com os EUA. “ Os misseis são tão cruéis ; porque esse povo que so briga?. Povo besta! eu prefiro ir pra igreja e ficar olhando pra Jacira. Pensou o menino. Ao chegar na Igrejinha Willian cumprimentou um moi de gente e foi sentar na 4 fila dos bancos. Era domingo o sol não se importava mais o relógio marcava 9 horas a amanhã estava bonita naquele dia. Em pouco tempo o grupo começou o ministério de musica tocou uma canção de louvor chamada” tempo” da comunidade Shalom, nossos corpos acostumados a amar o amor dançavam possuído de uma tal alegria que o supremo Deus amou e sorriu bondade naquele instante. 7 minutos e trinta e cinco segundos depois do inicio do grupo Jacira chegou ;não percebi pois estava de olhos fechados, mais quando os abri a reconheci imediatamente e vi seus olhos brilhando e ela viu o mesmo também em meus olhos. -“ No fim do grupo quero falar com tu” me sussurrou de repente a bela menina. -Tá certo! Sussurrei de volta pra Jacira enquanto agente se sorria e a coordenadora do grupo dizia no microfone: Gente foco aqui! Nada de conversas paralelas, agora vamos ler O Evangelho O texto lido falava da parábola que Jesus contou de um patrão que logo cedo foi na Praça e chamou homens pra trabalhar pra ele e pagar uma moeda no fim do dia, no fim da tarde ele foi na praça de novo e chamou os outros homens e combinou de pagar também uma moeda pra eles no fim do serviço. E foi o que ele fez no fim do dia quando acabou o serviço pagou uma moeda pra que começou trabalhando logo cedo e também pagou uma moeda pra quem só trabalhou no fim da tarde. Os primeiro ficaram chateados e reclamaram; mais o Patroa respondeu pra eles: “ O dinheiro é meu, e eu faço com ele o que quiser.” Quando terminou de ler o Evangelho Julinho ( uma bichinha tranquila de várzea Nova) disse assim: Palavra da Salvação! - Glória A vós Senhor! Respondeu a Coordenadora do grupo, Anamara ( minha amiga maconheira), eu, Jacira e o resto do povo que tava ali. Quando acabou o grupo, a menina que eu gostava me levou pros fundos da igrejinha e me roubou um beijo na boca tão custoso que demorou 2 minutos e 15 segundos pra acabar - Depois de Jesus te amo mais! Disse pra Jacira assim que acabou o beijo. - Eu sei! Menino! por isso te beijei, tu é muito mole. hehe falou e riu a menina garota de mim - Agora cria coragem que hoje a noite depois da missa na igreja do sagrado Coração de Jesus, tu vai pedir pra namorar comigo lá em casa pra Painho falou a menina na mesma hora que me dava um selinho depois correu apressada me deixando feliz com um bonito sorriso no rosto. Humberto Filho 29/09/2017

domingo, 1 de outubro de 2017

conto de domingo

Conto: Menininha de domingo Para: Ni, Evelyne shalom A tarde de domingo se recolhia calmamente, os carros e motos eram poucos trafegando na AV. Dom Pedro II ( a mais natureza verde da capital da Paraíba). De cinco e 7 a missa começou; setembro se ia calmo tal qual o tempo de deus. O padre presidia a celebração e Jesus inventou de manda um presente pra alegra aquela gente, que o amava simplesmente. Que foi uma menininha de 2 anos que descobria a vida e por isso amava tudo e sorria com os lábios e com o corpo através de ações infantis que destruíam a maldade e malicia da cidade. Na hora que estavam cantando o Glória! A menininha batia palmas no colo do seu pai, depois da musica ficou amuada e deu trabalho; mais logo ela se intetreu com a moça que estava sentada na ponta da fila ficou mexendo no terço e no relógio da mesma. Fazia um bem de felicidade vé o presente de jesus naquele domingo. Quando o padre levantou a Hóstia Santa e disse; EU O SOU O CORPO DE CRISTO! FAZEI ISSSO EM MEMORIA DE MIM!!! A menininha ajoelhada aprendia o que era o mistério do amor. Sem querer querendo Maria Mãe de Jesus sorriu e disse assim pra seu filho: “ Que povo bonito Jesus, ama essa gente com força vixe!” Humberto Filho 27/09/2017

sábado, 16 de setembro de 2017

conto da tarde

Conto: Coisas de família Para: Ni A primavera coloria toda a cidade o concreto e a fumaça dos transportes as vezes pareciam ate coadjuvantes do cenário. Melissa Julia acordou sorridente e foi logo dizendo: “Mãe! Apronta meu vestido que hoje, painho vai me vê dançando tango na escola. que bom mamãe! Depois a menina sorriu tão contente que a cidade sentiu a pureza da vida e começou a dia tão bem. - tá certo docinho! Respondeu a jovem Mãe. A manhã se passou tranquila, cantarolando a pai da pequerrucha dirigia o ônibus pela cidade muitas vez da integração intem o bairro de Cabo Branco. Sua filha iria se apresenta no festival de artes da escola municipal de mangabeira; tinha que ir e estava com vontade. A mocinha de 7 anos ia dança tango no colégio, passou a semana toda dizendo: “ Painho tu vai né? Joaquim tinha que ir e foi. Melissa Julia estava ansiosa momentos antes de subir no palco; o sol da tarde alumiava a cidade, dir-se-ia que a capital da Paraiba era o lugar mais lindo do brasil naquele dia. “ E AGORA COM VOCES TANGO ARGENTINO! COM OS ALUNOS DA AALFABETIZAÇÃO JUSCELINO E MELISSA JULIA!” falou o diretor da escola, ato continuo palmas da plateia enquanto as crianças entravam no placo. Na primeira fila Seu Joaquim segurando a mão de Dona Sonia via a cria que ele e sua mulher deram ao mundo. A menina e seu coleguinha no palco dançavam um tango argentino tão prefeito que o povo da paraíba chegou ate desconfia se de fato aquela gente era do brasil. Depois de dança a menina correu pros braços do pai esquecendo ate dos aplausos e depois de beija seu rosto disse assim: “Que bom que você veio Painho!” - Te amo filha! Falou o coroa motorista pra menina. Nossa Senhora da Penha satisfeita com aquilo pediu para seu filho abençoa a paraíba e foi o que o shalom do pai Fez. Humberto Filho Agosto/2017

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

conto de setembro

Conto: Manhã Feliz. Para: Ni A manhã despertou preguiçosa ganhando o mundo enquanto a chuva molhava a plantação de abacaxi e inhame da minha namoradinha uma virgem linda de 14 anos e meio ( que vez por outra a noite acordava assustada com o som do ruído das estrelas.) Eu tava contente naquele e dia , tinha passado quase três meses limpando e fazendo roçado pro povo pra apura 700 conto e levar minha Melissa pra passear a bichinha ia vé o desfile de 7 de setembro depois ia tomar sorvete comigo na lagoa. No meu coração a vontade era de leva-la pra praia de Cabo Branco pra vé minha namoradinha de biquíni; mais fazer o que? Melissa é quem mandar. Pra mainha num ficar com raiva de mim; comprei pra ela 1kg de morango e um disco de Joana. A coroa ficou tão contente que riu até mostra os dentes. A família da minha pequena confiava em mim fiz dezenove anos este ano dois dias depois do eclipse total do sol acontecer nos estados unidos da América. Melissa era a menina mais linda daquela manhã; ficamos bem de gente do palanque onde estava o governador o prefeito da capital e um moi de politico da PB. O desfile transcorreu magnifico o exercito, a marinha e a aeronáutica do brasil exibiam sua grandeza que era defesa mais também podia ser ataque, graças a Deus que isso quase nunca acontecia. No fim do desfile melissa falou sorridente no meu ouvido: Jacob lindo! Obrigada por hoje! Agora vé se tu se arrumar! Tu ta tão cafona, no próximo passeio eu que vou escolher tua roupa! - tá certo minha linda! Falei e sorri pra ela em seguida beijei o riso da minha menina e senti que tinha gosto de suco de acerola com laranja. No céu Nossa senhora mãe de jesus; disse assim pra seu filho. - Bom deus ainda existe bondade e amor nesse povo! Tenha sempre misericórdia dessa gente. E a natureza então se mostrou prefeita pra todo o planeta terra. Humberto Filho 07/09/2017

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

conto de manhã

Conto: Fugitivos da escola ( baseado numa história real ) Para: Lívia de Maria A manhã era agradável aos olhos de todos; o sol deixava a vida nítida, e o vento refrescava as aparências. A mãe de Sarinhah tinha comprado pra ela o DVD de “ carinha de Anjo” no shopping Morumbi. A menina estava uma alegria só. - Mamãe! Posso trazer meus amiguinhos da escola pra assistir comigo meu DVD? Perguntou a pequerrucha de 4 anos. - claro que sim! Minha filha Linda!! Respondeu a mãe em seguida colocou a filha no braço e a cobria de beijinhos enquanto amenina dizia sorridente: EBA! EBA! A mãe depois deixou a filha na escola e foi trabalhar, a menina foi pra sala de aula eufórica pra conta a novidade pra seus amiguinhos Julinho de 3 anos e Pedro de 5 anos. A aula passou depressa as crianças mal percebiam a tia que ensinava sobre profissões e lazer. No intervalo foram brincar no pátio da escola. Inteligente que era Sarinhah notou que tinham deixado o portão do fundo da escola encostado. - vamos lá pra casa assistir carinha de anjo!? A menina chamou seus dois amiguinhos. - BORA! BORA! Respondeu os dois e assim foram Sarinha na frente abriu o portão e passaram em seguida saíram correndo pela rua e pela calçada ‘ livres, leves e soltos” O prédio onde a menina morava ficava do outro lado da rua, as câmera de segurança dom local filmaram a aventurada da criançada. Ao chegarem no condomínio Sarinha bateu no protão ( não conseguia aperta o o interfone pois era pequena) Ao abri o portão os seguranças ficaram surpresos ao verem as crianças ali sozinhas. - O que você ta fazendo aqui Sarinha!? Perguntou o segurança. - Vim trazer meus amigos pra assistir o DVD comigo lá em casa, minha mãe deixou! Respondeu a menina. O segurança colocou as crianças na recepção e foi ligar pra mãe da criança e disse assim: Dona Guiomar. Sua filha ta aqui! trouxe uns amiguinhos pra assistir televisão com ela. A impressa depois contou essa história para ao Brasil; falando do perigo que a crianças passaram e do descuido do pessoal da escola. Mais não falaram do essencial, sarinhah uma menina de apenas 4 anos foi mais inteligente do que os adultos daquele canto naquela manhã bonita de inverno em SP. Humberto Lima 06/09//2017

sábado, 26 de agosto de 2017

+ um conto.

Conto: Vou ser Freira Para: Evelyne shalom, Irmã Daniele , Lais shalom. “Não se assuste pessoas, se eu te disser que a vida é boa” ( Pitty) Foi assim, Clarisse despertou sorridente, tinha sonhado com Maria a lhe pedi pra se torna esposa de seu filho jesus a abandonar tudo e viver de amor, o mais doce amor. Aos dezesseis anos Clarisse despertava pra vida, achava que tudo era bom e de fato era pra uma alma pura como aquela, na sua mente pensava que beijo na boca engravidava e ter filhos só depois do casamento seus pais a ensinaram logo cedo isso. Tanto que quando Pedrinho lhe roubou um beijo no intervalo da escola, ela passou a noite chorando com medo de não forma uma família santa. “ Pedrinho meu bom namoradinho porque você fez isso com agente?’ era a pergunta que saia de suas lagrimas tristes. (Menina boba aquela que aos 13 anos de idade se consagrou a Nossa Senhora; e desde então vivia a pensar como seria quando habitar-se o céu.) Sua avó percebendo a angustia da neta, tratou de fala pra Clarisse como era a concepção de criança e depois disse assim: “ Perdoe seus pais netinha, o bem! é que desejam pra ti, por isso te ensinaram assim, te amam como o orvalho amar a flor que pode ser rosa; mais sempre é amor” No café da manhã daquele dia, a virgem estava sorridente e junto com a família comiam cuscuz, café, ovo e carne de charque. Ela aproveitando o sorriso da sua mãe . falou sorrindo pra seu pai, sua mãe e sua avó:’ gente, vou ser freira! Só Deus basta. Humberto Filho 13/05/2017

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Comêdia romantica

Conto: Circo Para: Evelyne shalom Samara shalom O palhaço vestiu seu mais bonito terno azul deixou o bigode bem bonito, penteou o cabelo Jogou sobre o corpo um perfume alfazema e foi pra prefeitura pedir o alvar ao prefeito pra pode o circo se instala na cidade. - então tu é palhaço? me faz rir?- perguntou o prefeito- que hoje tem espetáculo na minha cidade! Depois riu com vontade ou de pena. - agora tou sem vontade- respondeu Marcus em seguida perguntou- Pode ser uma magica? - por que não! Falou o chefe máximo daquele município. - prefeito eu tou sozinho aqui, e o magico ta la no circo, mais se de noite tive espetáculo, vossa excelência vai vê palhaçada e magica e muito mais. Você que decidi? Perguntou tagarelando o palhaço. - palhaço esperto! Ta certo.o alvará ta liberado. Disse o prefeito. De noite a lona tava montada e as luzes do circo enfeitavam a cidade. O espetáculo foi uma festa; o prefeito tava satisfeito, o circo ia passar um mê naquela cidade. Naquele momento a trapezista linda de 16 anos chamada Sumara voava pelo céu do placo, a plateia olhava admirada pra performance da mocinha que segura voava no céu segurando nos ganchos. A plateia batia palmas pra cada voou que Sumara dava no ar; tudo era alegria naquela noite bonita da cidade. Depois do espetáculo o palhaço foi andar de skat com sua namorada. Passou um mês fazendo isso depois o circo foi embora pra outa cidade da paraíba. Humberto Moreira Março/ junho 2017

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

buceta fim de tarde

Boa tarde amigos desconhecidos. por isso dias as coisas estão dificeis pra mim, alem da minha prima tem uma afilhada da minha mãe aqui em casa destruindo minha vida. as vezes penso ate em me matar mais como não tenho coragem tou bebendo feito um cara sem esperançã. não queria isso. vou mudar. estou numa viver de fala sobre amor nos meus contos estou chamando o estilo de romantismo ultrapassado, não sei poucas gente me ler. meu livro poucas pessoas compra. As pequenas são linda faz tempo que beijei uma, tem uma lindinha pequena de um bairro aqui da cidade que me mandar altos beijos pelo whatzap, um dia tomare que pessolamente. pelo brasil ontem os deputados canalhas canalhas canalhas, arquivaram a investigação contra o presidente. isso é punk, por isso que os ingleses chamam o brasil de o o 3 pais onde o povo é mais idiota no mundo. Mais tenho fé no brasil e no povo, tudo vai ficar bem o brasil vai mudar pra melhor. No mais corrupção e falta de sexo na minha cidade. Obrigado por m lerem amigos desconhecidos

segunda-feira, 10 de julho de 2017

+ um conto

Conto:Ritinha Pra: Carol, Catarina e Larrisa. A manhã amanheceu gostosa; os raios do sol queimavam aterra de leve. O verde da nas matas na serras pare4ciam pintura de quadro .realista. Pela rodagem Ritinha ia compra comida pra sua família na mercearia de Seu Jucelino. Ia sem pressa pensando na vida; há dois dias tinha dado seu primeiro beijo na boca; seu corpo tinha se arrepiado todo e Ritinha tinha gostado e queria de novo. Fazia um ano que namorava Raul, mais so deixou agora, porque tinha medo de engravida. Quando ela aera criança seu pai lhe ensinou que beijo na boca engravidava. E foi um custo imenso, Raul explica pra moça que não era verdade. - Por acaso? Você ta chamando meu pai de mentiroso?- perguntou Ritinha zangada pra Raul. - Não quis dizer isso minha flor!- respondeu o namorado- Apenas quis dizer que ele que te protege porque gosta de você. Mais o que engravida é sexo e se eu fizer isso com você agora, se eu não me casar contigo teu pai me mata. Finalizou Raul. Foi desse jeito que Ritinha foi convencida. Mais voltemos a manhã bonita de inverno pela rodagem Ritinha continuava andando inte amercearia, seu riso não saia de seu rosto, a moça era bonita que só vendo. Quando chegou na porta da mercearia que ficava um pouco depois de uma capela. O vento soprou forte e de repente levantando o vestido de Ritinha a deixando vergonhosa. - eu vi tu calcinha menina era azul. Falou Seu Juscelino que do balcão da mercearia observava toda acena. _ Me respeita! Veio safado! Ou você vai se ve comigo! Disse com autoridade Ritinha. - desculpa moça?! Pediu o velho. Sorrindo Ritinha aceitou e depois comprou a comida pra sua família. E voltou pra casa protegida das malicias do mundo; deus lá do céu abençoava aquela lama pura de moça linda. Humberto filho 26/06/2017

quinta-feira, 6 de julho de 2017

conto de outono

Conto: Beijo e dragão Para: Andreza Foi assim que essa estória aconteceu os passarinhos voavam em bando tranquilos pelo céu do nordeste do brasil em um sitio que era arrudiado por montanhas verdes em diversos tons, as arvores aos montes embelezava a vista. O povo de lá vivia da agropecuária rural a terra dava de tudo e os animais eram bem criados para melhor servir. Bem por traz dessas montanhas vivia um dragão que fez por outra voava pelo céu daquele lugar uma criatura imensa de trinta e dois metros de comprimento de escamas brancas que soltava fogo e fumaça pelo focinho alvo. Voava alto para não assustar ninguém; tanto que o povo sempre ficava admirado quando o dragão passava voando po ali as crianças gostavam de ficar debaixo da sombra dele que passava. E quando a criatura expelia fogo pelo focinho as mocinhas se arrepiavam todas e com medo se abraçavam em quem estivesse mais próximo, foi assim que conheci Elvira. Quando o dragão soltou fogo ela pulou em meus braços num abraço bom seu vestido azul a deixava mais linda. Mesmo depois do dragão passar, fiquei um tempão alisando seus cabelos pretos e abraçando-a ate ela se acalma.. Como agradecimento ela me deu um beijo longo com gosto de milk-shake de framboesa; e foi essa estória que aconteceu naquela noite bonita de inverno. Humberto M. L.F. 30/06/017

segunda-feira, 24 de abril de 2017

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Buceta da tarde

Boa tarde amigos desconhecidos a cidade parece calma, eu ontem beijei uma virgem linda de 15 anos, tinha bebido um pouco de vinho, falei pra pequena varias coisas, ela gostou do que eu falei; tive que beija-la. era uma morena muito bela, sorria sem pressa nem falei pra ela da guerra na Síria não queria assustar a pequena, eu cuidei da pequena e a pequena cuido de mim. No mais corrupção e falta de sexo na minha cidade. Obrigado por em lerem amigos desconhecidos.

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Buceta outono tarde de céu azul

Boa tarde amigos desconhecidos,a vida por esses dias ta punk comigo, so pancadaria e coisas tristes.o alcool parei de beber,seguidamente,tou parando de beber,canhâmo é algo bom,pelo mundo os EUA atacaram ontem a Siria depois que a Siria atacou com armas quimicas o seu proprio povo, o mundo ta meio triste, Mas o Senhor é bom ele vai resolve tudo. Tem uma Pequena que estar sendo gentil e carinhosa comigo. Algumas coisas ainda são boas na terra. No mais corrupçaõ e falta de sexo na minha cidade. Obrigado por me lerem amigos desconhecidos.

quinta-feira, 23 de março de 2017

terça-feira, 14 de março de 2017

Conto bom!

Conto: Todo dia é dia de domingo pra quem crer no Senhor. A moça sorria sem pressa ,seus olhos brilhavam sem medo, estavam carregados de uma doçura simples. Joaquim avistava essa cena de longe enquanto alimpava o roçado fazendo covas pla planta fazendo preto. Pouco apouco a moça ia se aproximando trazendo uma garrafa d’agua de beber e as sementes pra seu namorado semear na terra. Pouco dias depois seria dia de são José, era costume no sitio o povo planta intem esse dia. depois esperavam a colheita. O rapaz era meio bobo e a mocinha era linda nasceram no mesmo ano da graça em que o brasil foi pentacampeão mundial de futebol. Fazia três mês de maio que namoravam, se gostavam de sempre mais o primeiro beijo so deram quando tinha 15 anos numa noite de novena do mês mariano, na capela de Nossa senhora da conceição. Quando a mocinha no fim do noitaro o do dia 13 de nossa senhora de Fátima disse derepente pra seu amigo enquanto andavam na rodage voltando pra casa.” Se tu me roubar um beijo! Eu chamo a policia”. - Duvido- respondeu o mocinho enquanto dava um beijo em Erica que fechava os olhos e sentia o amor. A lua cheia clareava a rodage tanto que deu pra vê o sorriso que um deu pra outo quando acabou o osculo. - ‘Agora bichinho! Se tu não vira meu namorado1voute denuncia. Falou a mocinha depois sorriu e sorriram juntos e assim começaram a namorar. Em cada cova Erica colocava 4 sementes de feijão preto depois com o pé tampava e fazia altos planos pra colheita daquele alimento. A um canto Joaquim observava sua prenda que vivia feliz e pensava sem pressa em casamento e cantava as misericórdias do Senhor e agradecia por fazer pra eles em suas dias todo dia como um dia feliz de domingo. Humberto Filho 12/03/017

quinta-feira, 2 de março de 2017

Conto de março

Conto: 1 dia na escola. Para: Gaby Ao completa 4 anos coloquei minha filha pra estudar na escola publica da minha cidade. Minha esposa fazia planos queria que amenina fosse linda pra o primeiro dia de aula, fez ate eu compra um vestido amarelo e um laço vermelho pra enfeita o cabelo da nossa filha, a sandalinha de couro a avo trouxe de presente do juazeiro. A criança era uma alegria so com aquilo, queria saber o que se fazia na escola se podia levar junto com ela sua tartaruga Anabela. Não podia! Isabel minha esposa disse pra ela. Agente morava em Jaguaribe perto do antigo CEFET mais coloquei amenina pra estudar no Tambia, pra satisfazer meu desejo de andar pela cidade. Eu trabalhava a noite de porteiro em um prédio na praia de cabo Branco próximo ao busto de Tamandaré. Mais fiz questão de levar minha filha pra escola no primeiro dia de aula. ( meu sonho era fazer dela uma astronauta). Naquela tarde de fevereiro fui o único pai que levou a cria pra escola todas as outras eram mães. Fazer o que? Não ia perder este momento único de sofia. Pensei e sorrir. Conforme minha esposa prometeu a criança ficou linda de verdade parecia ate gente de New Yoquer do rio de janeiro. - Painho tou tão feliz Hoje! Disse minha filha ao chegamos na escola em seguida beijou meu rosto assanhou meu cabelo sorriu e saiu correndo pelo pátio da escola. Quando conseguir pegar minha filha a sirene do colégio disparava anunciando o inicio da aula. Sua professora era uma mocinha preta que sorria ao sabor do vento, confiei nela na hora e sabia que Sofia seria tratada bem e iria aprender ali. Minha filha ao entrar na sala de aula, cumprimentou todo mundo e falou ‘ Que atava amando aquele dia”. Mais quando eu falei xau pra ela, começou a chora soluça e gritara assim: Painho! Num vai ficar aqui com euuu!!! - não posso filha! Disse pra ela. 9 me segurando pra não ir abraça-la) - pode ficar Pai! mais só hoje pra ela se acostumar! falou a mocinha professora. Passeia meia-hora junto com Sófia na sala de aula ate ela se enturmar, quando percebi que amenina estava gostando das pessoas que estavam naquele lugar sair de mansinho e deixei minha filha começar a viver em sociedade. Como não sou besta, rezei logo uma Ave maria! Pedindo a intercessão de Nossa Senhora da Penha pra que a terra fosse leve com vida da minha filha. Humberto Lima 26/01/2017

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

conto de verão

Conto: 1 dentição da criança Para: Gaby Chorava pois a criança no inicio da segunda semana do verão. era um janeiro bem gostosos; onde as aguas dos oceano estava quente e propicia pra refrescar e bronzear de alegrias almas tupiniquins que se aventuravam a se banhar pela costa marítima brasileira. O casal de praianos se intrigavam e aos poucos iam se desesperando pois não conseguir atinar qual era angustia de sua cria. Em pleno verão o bebê chorava sem para, a Mãe dava de mamar pra ele e nada ,o Pai dava banho no pequerrucho , colocava acriança na varanda e nada, chamaram ate uma velha rezadeira pra da jeito e a situação não mudou. Graças a Deus a enfermeira da praia de Lucena , descobriu que a agonia do rebento se tratava da dentição do primeiro dente e com maestria de quem aprendeu e saber trata de coisas desse tipo, ela ensinou ao casal como procede nesse caso. O pai da criança ficou tão contente que pescou um peixe de 7 kg e meio pra enfermeira; que comeu com sua família durante uma semana; a mãe do pequerrucho só fazia ri enquanto alimentava seu filho com leite materno potencializado com brisa do mar. Os nativos da praia de Lucena, pra comemorara vitória do casal de sua praia organizaram uma festa de agradecimento regada a peixe, cachaça ,cerveja , caranguejos e outros manjares que só um povo do bem pode oferece. Pra não falta benção do mais belo Amor. No domingo de manhã foram assistir a missa no igreja de Nossa Senhora da guia. Jesus Cristo os amor de verdade. -que bom que a vida é assim! Disse o esposo. -Verdade Deus nós amar! respondeu a esposa, em seguida se beijaram um beijo apaixonado. No berço a criança sorriu. “ VIVER E FACIL,SEMPRE É ASSIM!. pensou a criaturinha que despertava pra vida. Humberto Filho 24/01/2017

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

CONTO DE VERÃO 2

Conto: Moça ( Parte II ) Para: Manu Passeia a semana, juntando dinheiro pra levar Grazyela pra missa. Ajeitei alguns skates da rapaziada e limpei uma piscina de uma família grã-fina que morava em Intermarés. A filha do casal ficou afim de mim, ela era linda, mais Grazyela apareceu antes e meu coração era todo dela. Com a grana que conseguir trabalhando daria pra pagar as passagens minha e da moça e compra algo pra lanchamos. Os dias passaram junto com as noites e domingo amanheceu bonito, com as nuvens brancas embelezando o céu e combinando com o sol amarelo que brilhava em tudo. A tarde chegou de repente abri um sorriso com aquilo e fui me preparar para o grande momento, tomei banho, fiz a barba e vestir a beca que usei no natal, uma calça jeans, uma blusa de botão, tênis all star vermelho e a toca na cabeça pra ficar bonito pra futura dama. Passei um perfume cheiros pelo corpo pedir a benção aos meus pais. coloquei o Skate debaixo do braço e fui pra Av. Josefa Taveira pegar o circular que me levaria pra pista do Skate Plaza Manaíra. O skate tava veloz naquela tarde de domingo ,cair umas duas vezes antes da moça chega. Os moleques estavam inspirados naquele dia era uma manobra mais dificl do que outra, agente ria e a pista não ficava um segundo vazia era um sair que outro já jogava o Skate no meio da pista ou pulava de cima da rampa. No quarto rolê, conseguir manda um flow maneiro parecia até que tinha um moto no carrinho tal qual velocidade que ele ia pegando, passei quase dois minutos mandando o flow so reparei porque fui manda uma curva pra esquerda voltando na rampa cair do skate. - bem feito, menino besta! Faz meia- hora que tou aqui e você não olhou pra mim. Vem logo fala comigo antes que me arrependa e desista de sair contigo Sebastian. falou sorridentemente a doce Grazyela enquanto balançava os cabelos. Levantei-me apressado e fui ao encontro da bela virgem a enlacei pela cintura e a beijei devagar pra fazê-la sentir o gosto do meu amor. - Menino besta! gostei do beijo.- falou Grazyela- mais devia ter pedido antes; o próximo so quando eu autorizar. Completou a moça depois me sorriu. - Ok! Menina arregueira! agora vamos pegar o busão pra gente ir pra o shalom, tou afim de chegar antes do inicio da missa e ter levar pra capela pra gente reza um terço quero te apresentar pra Santa Maria e seu filho Jesus. Falei pra Grazyela. - ta certo. Menino besta! Meu namorado! falou a moça em seguida sorriu. Deus na missa teve piedade de nós e nos abençoou e fez resplandece na terra a luz da sua face tal qual no salmo 66. Deus é bom. Humberto Lima 10/02/2017

conto de verão

Conto: Moça Para: Gaby e Thalia Lembro da primeira vez que vi Graziela; eu estava ando um flow na pista do skat plaza Manaíra aguardando a 4 horas da tarde pra pegar o busão e ir assistir a missa no shalom de17:00. Ela vinha caminhando pela calcada da praça tomando sorvete com sua amiga, mais eu so tinha olhos praquela moça que sorridente usava um vestido vermelho com sandálias da mesma cor, junto com um par de sandálias da mesma cor, junto com um par de brincos de perola que enfeitavam suas orelhas. Seus lindos cabelos loiros estavam soltos ao vento. Aumentei a velocidade do flow só pra fazer Graziela olhar pra mim. A juventude despertava felicidade pela cidade a moça olhou pra mim sorriu e ainda disse: Deixa de ser amostra1menino besta! Sua amiga e todos que estava na praça riram de mim até eu. - Vou deixar, conseguir que voce olha-se pra mim! Respondi pra moça terminei de manda o flow coloquei o skate debaixo do braço e fui pra perto da garota. - Quem disse que eu tava olhando pra você? Menino besta, pra mim olhar pra tu, você vai ter que comer muito feijão com arroz. Falou a bela moça e me sorriu provocando. Sorrir de volta praquele sorriso era única coisa que podia fazer em seguida olhei a h ora no meu relógio de pulso já eram quatro horas. -o que tem de linda tem de arengueira! como é teu nome? perguntei esperando o fora. Mexendo os cabelos com as mãos ela me respondeu: Se manca menino besta! Como é teu nome mesmo? Eu sou produtor importado pra me conquistar você vai ter que rebola! Meu nome é Graziela. Em seguida sorriu tão doce que seus olhos brilharam cheios de pureza. - linda Graziela eu vou rebolar, dançar e cantar pra tu; mais só semana que vem, tenho que ir para missa no shalom agora; amo jesus cristo mais do que tu, quero que você faça o mesmo.. meu nome é Sebastian disse assim pra ela. Como eu esperava Graziela mais uma vez sorriu pra mim e falou: ok1meninobesta! Próximo domingo tou aqui; agora ve se se arruma que vou pra missa mais tu. Deus do céu gostou da ideia e o mundo se alegrou de repente. Humberto Lima 22/01/2017

sábado, 4 de fevereiro de 2017

buceta skatboarding

Boa tarde amigos desconhecidos, bom verão de 2017 pra todos nos ,por esses dias vivia algumas coisas neste mundo, tou escrevendo sobre amor tipo romantismo ultrapassado, falta paga uma disciplina pra termina a especialização em artes. vou trampa em algum lugar da cidade,será algo muito bom,ensina é bom agora tou andando de skat em uma pista aqui da cidade com um amigo meu o flow do skat na rampa é algo muito massa. as pequenas são sempre bem vindas, dia desses quase bejei uma, domingo passado uma me beijou. no mais corrupção e falta de sexo na minha cidade! Obrigado por me lerem amigos desconhecidos!

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

+ um conto

Conto: Moça Para: Thamires Lembro da primeira vez que vi Graziela; eu estava ando um flow na pista do skat plaza Manaíra aguardando a 4 horas da tarde pra pegar o busão e ir assistir a missa no shalom de17:00. Ela vinha caminhando pela calcada da praça tomando sorvete com sua amiga, mais eu so tinha olhos praquela moça que sorridente usava um vestido vermelho com sandálias da mesma cor, junto com um par de sandálias da mesma cor, junto com um par de brincos de perola que enfeitavam suas orelhas. Seus lindos cabelos pretos estavam soltos ao vento. Aumentei a velocidade do flow só pra fazer Graziela olhar pra mim. A juventude despertava felicidade pela cidade a moça olhou pra mim sorriu e ainda disse: Deixa de ser amostra1menino besta! Sua amiga e todos que estava na praça riram de mim até eu. - Vou deixar, conseguir que voce olha-se pra mim! Respondi pra moça terminei de manda o flow coloquei o skate debaixo do braço e fui pra perto da garota. - Quem disse que eu tava olhando pra você? Menino besta, pra mim olhar pra tu, você vai ter que comer muito feijão com arroz. Falou a bela moça e me sorriu provocando. Sorr de volta praquele sorriso era única coisa que podia fazer em seguida olhei a h ora no meu relógio de pulso já eram quatro horas. -o que tem de linda tem de arengueira! como é teu nome? perguntei esperando o fora. Mexendo os cabelos com as mãos ela me respondeu: Se manca menino besta! Como é teu nome mesmo? Eu sou produtor importado pra me conquistar você vai ter que rebola! Meu nome é Graziela. Em seguida sorriu tão doce que seus olhos brilharam cheios de pureza. - linda Graziela eu vou rebolar, dançar e cantar pra tu; mais só semana que vem, tenho que ir para missa no shalom agora; amo jesus cristo mais do que tu, quero que você faça o mesmo.. meu nome é Sebastian disse assim pra ela. Como eu esperava Graziela mais uma vez sorriu pra mim e falou: ok1meninobesta! Próximo domingo tou aqui; agora ve se se arruma que vou pra missa mais tu. Deus do céu gostou da ideia e o mundo se alegrou de repente. Humberto Lima 22/01/2017

sábado, 7 de janeiro de 2017

+um conto!

Conto : Passeio de Domingo Para: Thayana , kamila e clarinha Depois da missa de manhã levaram a criança pra o zoológico, tinha pouco mais de um ano o bebê. Era esperto sorria pra tudo e pra todos. parecia um pouco com o príncipe George da Inglaterra ,seus Pais também se agachavam pra falar com ele. A mãe uma vez lhe contou que do açafrão se fazia coloral ;o pequerrucho olhou espantado praquela mulher. Em seguida os dois riram com vontade. Outra vez o pai lhe falou que fora do Planeta Terra existem estação espacial internacional e quem ta lá são os astronautas. Aquele casal era mais bobo do que o menino. por voltadas 9 da manhã chegaram ao zoológico; os humanos chegavam aos poucos para verem os bichos. Eram adultos, crianças, velhos e adolescentes e casais de namorados estavam felizes por terem ganho um presente de domingo. A criança gostou das águias e do casa de leões. os pais dele g gostaram de tudo; do papagaio, do urso panda, das cobras, do gorila do jacaré e do elefante do urso da floresta das girafas. Tinha os macacos também que ficavam no inicio da bica. Não a conseguiram decidir qual bicho gostaram mais; eram mais bobos do que acriança isso não tenham duvidas. Logo apos terem vistos todos os bichos forma compra sorvete pra criança e pra eles. O menino gostava muito de sorvete e sorria enquanto a mãe lhe dava essa comida , o Pai distraído olhava pra arvores e decidiu que ia da de presente pra o filho no dia das crianças um globo de neve e riu docemente o riso da alegria. A mãe do menino se contagiou com a felicidade do esposo e o beijou carinhosamente ,o pequerrucho gostou de vê aquilo e foi e senta no banco no meio dos Pais e de alguma forma conseguiu dizer: Pai! Mãe! Amo Vocês!. Humberto Lima 08/09/2016

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

+umconto

Conto: Amor de repente ´Para Larissa shalom e Clarinha Do Bairro São José par paria era rápido bastava passar por uma ponte andar um pouco e vê o mar macio da capital da Paraibana. Agarota era tímida mais sabia sorrir que era uma beleza .estudava numa escola municipal do bairro mesmo. Sua Mãe era domestica no Bessa, Seu Pai pescador. Amorena com 17 anos era um encanto bom de vê e de amar. Semana passada passado, no finalzinho da tarde inicio de noite se não engano. Caminhava sem pressa pela areia da praia de Manaíra. Estava a pensar no que iria escrever para o artigo de natal Correio da paraíba. Minha mente não estava bem não conseguia sintoniza em nada. Decidir sentar um pouco e olhar o mar, liguei uma musica no celular e fiquei ouvindo junto com natureza na segunda musica a morena chegou sorrindo sem se assustar comigo parecia um bixo d’agua. Tímido mais do que ela eu me assustei. -Calma moço! parece que nunca viu uma garota! disse sorrindo a morena. - tão bonita não! Falei e aguardei o fora. -Você é um pouco bonito !também rapaz. Agora me faz um favor olhar minha bolsa e meu vestido enquanto eu tomo banho, vim olhar meu Pai ir pescar no barco dele. Meu nome é Luiza moco. Disse sorrindo a moça enquanto tirava o vestido e bolsa e colocou junto de mim sorri-me de novo e de biquíni verde foi correndo tomar banho de mar. LINDA! TODA LINDA ÉLA TODA BELEZA SE RECONHECE NELA! Essa musica de skank tocava no celular coloquei no volume máximo e fiquei a olhar pra morena que nadava com a graciosidade de uma virgem ao descobrir pela primeira vez o amor que em muitos casos é único e dura uma vida inteira. Pouco a pouco o sol se deixava ir pra China seria dial á enquanto dura-se a noite aqui. A morena voltou e disse -Obrigada!-moço- eu sou meio boba mesma. depois tirou de bolsa uma pastilha halls de hortelã me ofereceu uma. Aceitei na hora. Em seguida a morena falou que estava com sede. Fui iate um quiosque e voltei com uma agua de cocô pra ela e uma garrafa de agua mineral pra mim. Sentei junto dela e comecei a falar sobre o mar es obre o pié de tambau quando existia. disse pra ela que uma vez fui de bicicleta de santa Rita até lá. A morena pareceu não acredita mais me sorriu mesmo assim. Ficamos conversando e trocando olhares de carinhos antes de partir a morena me beijou e falou no meu ouvido: Miguel amanha de manhã te espero na missa na capela de Nossa Senhora da Penha! não vai falta! E se foi ao ritmo do vento me deixando ali ainda com o gosto do beijo nos meus lábios. -Tá bom! Meu bem! Disse por fim antes dela alcançar o calçadão da praia. No outro dia pela manhã fui par missa com um buquê de flores vermelhas na mão a morena me esperava na frente da capela. - obrigada! Pelas flores moço. agora coloca elas no altar da Santa. falou Luiza, fiz na hora o que a morena mandou. Deus na missa abençoou a todos com alegria e amor. a Mãe da morena gostou de mim, faltava seu pai. No fim daquele domingo fui na casa da morena pedir a mão dela em namoro ao seu Pai .Joaquim depois de me olhar cuidadosamente respondeu assim: Que assim seja pode namora minha filha! Poucos dias depois era natal o artigo que escrevi pro jornal tinha o titulo de ‘ AMOR DE REPENTE!” Ao acabar de lê –lo amorena me beijou e disse pra mim: Namorado bobo! até que tu é inteligente. - Namoradinha arrisca é por isso que gosto de tu falei pra ela. Depois alisei seus cabelos e a beijei. As famílias cheias de uma grande esperança celebravam o nascimento do Deus menino; a noite da capital estava enfeitada de alegria de vida. Naquele instante estava sentando com a morena no banco do calçadão do busto de Tamandaré olhando um cruzeiro que estava ancorado lá longe no mar e que também festejava o natal no mar da Paraíba. Humberto Lima 06/12/2016

domingo, 1 de janeiro de 2017

+ um conto

Conto : Natal -Man... man... Mamãe oia oque eu fiz pra Pa...pa..papai. Balbuciou sorridente a criança e mostrava pra mãe o desenho que tinha feito na escola .era um rabisco colorido de uma arvore, uma casa e uma família, o pai a Mãe e a criança no meio segurando em suas mãos, típica cena feliz que todo mundo gosta. - Que lindo! criança. falou a mãe ao vê o desenho de sua cria ao mesmo tempo que dava um beijo estalado na sua Buchecha. Na casa vizinha naquele instante a vitrola tocava uma canção de Luiz Gonzaga que dava gosto de ouvir. E quem disse que a mulher aguentou a alegria? Aguentou nada pegou a criança no colo e saiu a baila pela casa, dançando protegida de todo mal. que se tivesse uma câmera de monitoramento ali, quem visse acharia que na terra só havia amor. Nessa toada a manhã se foi e a tarde também por volta das seis da noite o Pai chegou em casa, tinha passado o dai dirigindo de ônibus que fazia alinha do centro pra paia de cabo branco. Com cheiro de brisa domar, sorriu ao vê o desenho da criança e disse: Obrigado por tudo minha família! Agora vamos tomar sorvete. A lua e as estrelas enfeitavam o céu viver é fácil. Humberto Lima. 25/12/2016