Templates da Lua

Créditos

Templates da Lua - templates para blogs
Essa página é hospedada no Blogger. A sua não é?

sábado, 19 de janeiro de 2019

Conto de verão

Conto: Acontecimento da cidade Para: Laisa Amorim, Andreza, Raissa Parecia seria aquela discussão quem olhava de longe pensava que os homens iriam se matarem; pelo menos da parte de um deles que respondia ao outro quase a berra e a veia explodi do seu pescoço. - Duvido tu conseguir?! – Provocava o homem mais calmo. - Tu vai vê; se eu não consigo. Respondia o outro homem mais nervoso era um ancião mas ainda tinha vigor pra trabalhar. Era manhã bonita de primavera quando sucedeu este fato estavam no centro da cidade o homem mais calmo de um lado da rua trabalhando na vidraçaria do outro lado da rua o homem mais nervoso estava a passar tinha parado pra tomar água na bodega do Codó. E foi inevitável os dois amigos se verem não acontece a aposta que o homem mais nervoso depois de dizer que conseguia foi logo tratando de se deita no chão e fazer 10 flexões que os clientes da bodega junto com o dono contavam uma a uma e quando chegou na decima o homem mais nervoso se levantou satisfeito e foi logo falando para o homem mais calmo que o observava ‘Tá vendo Mané! Que eu ainda sou bom! O homem mais calmo ficou amuado com o que ouviu e disse: ”Adeus” Rispidamente e voltou pra vidraçaria. Enquanto nos clientes da bodega do Codo sorriamos dos agravos inocentes da cidade. Humberto Filho 20/11/2018

terça-feira, 20 de novembro de 2018

crônica de novembro

Crônica: políticos do Brasil Ao vê tal senhores e senhoras trajando trajes grã-finos no congresso nacional ,fico a me pergunta que a experiência de vida perde o sentido se tomado como base esses tais velhos e velhas que governam a nação, pois os mesmos não passam de raça podre, escoria da sociedade; que criam e executam as leis em seu benefícios , numa espécie de nobreza legitimada pelo voto. Não sei se jovens seriam bons políticos , mas tenho certeza que esses anciões e anciãs de 50, 60, 70 e até mais de 80 anos são bandidos que vestem paletós e gravatas e usam joias caras o luxo que vivem nada mas é do que a riqueza da nação, que acostumada a séculos de exploração vivem igual gado manso entregando de cabeça baixa a riqueza que produzem a esses políticos sinônimo de raça impura, se contentando com as migalhas que sobram, isto é, educação, saúde, segurança de escravos; esporte ,cultural e lazer é sonho irrealizado no Brasil. Ao vê tais presidentes dos 3 poderes e seus pares juristas e congressistas o asco que sinto é tanto que é inevitável cuspi no chão perante a visão dessa gente nefasta e cruel. Mas a esperança é algo que não se acaba e uma das coisas que nos resta é acredita que quando tivemos políticos jovens coisas boas irão acontece, pois a história estar nos mostrando que os políticos velhos só trouxeram maldade e devastidão para o Brasil. Por fim peço perdão por essas palavras pesadas, mas é porque sou o ultimo revolucionário do Brasil que acredita que o poder emana do Povo e que saber que apesar de varias tentativas frustradas de colocar o povo no comando ao longos de nossa história; em 2013 conseguimos mudar o Brasil por um mês. Mas vamos em frente porque o tempo não para e o povo não é besta ele é inteligente e minha namorada nesse momento me aguarda para fazermos outra coisa importante. Bye! Bye! Humberto Filho 06/11/2018

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

novenbro conto

Conto: Belezas do mangue Para: Laís, Laisa , Jair Messias Bolsonaro, Ex. Presidente Lula. Os carros entupiam a Avenida principal de Recife, misturados com ônibus ,motos e caminhões no meio daquele alvoroço dentro do coletivo Jussara, nem se dava conta do caos, nos seus ouvidos um par de fones levavam calma pra mesma ouvir. Estudava Biologia na UFPE e passava parte do dia enfiada no mangue da cidade num projeto de pesquisa da universidade que estudava a fauna e flora daquele ambiente. De olhos fechados enquanto seu smartphone tocava uma canção suave de Frank Sinatra ; Jussara pensava na primeira vez que viu uma Risoflora ; naquele dia estava um pouco chateada pois instantes antes um siri tinha mordido sua coxa e um de seus colegas do projeto de pesquisa aproveitou a situação pra enquanto a ajudava alisar suas coxas. -Caba safado! tinha falado Jussara ao nota o inxiirmento enquanto o empurrava na lama do mangue, todos riram menos ela e o caba safado. Chateada a moça se afastou do grupo e foi andar um pouco só pelo ambiente; era um pouco complicado caminha pela lama as pernas afundavam ate o joelho na lama a cada passo mas a bióloga não se importava com isso ,nos galhos retorcidos das arvores os urubus olhavam pra ela como a pergunta “o que essa bela moça faz aqui?” ;alguns caranguejos também saiam de suas locas pra vé Jussara mas ela não via nada estava por demais chateada com o assedio que sofreu instantes atras. Mais eis que a surpresa aconteceu a uns 30 passos a sua frente no meio dos galhos das arvores iluminada pelo raio do sol que acharam um espaço pela vegetação uma risoflora imponente mostrava toda sua beleza. - “ Uau!” foi a unica coisa que Jussara pode dizer ao nota a risosflora em seguida foi apressada ate onde ela estava dos seus olhos caiam lagrimas e dos seus lábios se abria um grande sorriso de felicidade. Desde Pequena que queria vé uma Risoflora ,;conheceu sobre ela através de uma musica de Chico Ciency e nação zumbi e na faculdade a atenção aumentou conforme ela ia se especializando no ambiente dos mangues. Ao chegar próximo da risosflora, Jussara Foi logo tratando de tira uma selfie-retrato e publicou no instragram com a legenda: Duas Flores Do Mangue. Pra eterniza aquele momento de alegria infinita. Humberto Filho 05/11/2018

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Conto de novembro

Conto : A saga de Erondina e Anízio Para: Lais, Laisa Novembro parecia querer sussurrar algo através dos ventos fortes que sopravam pelo sitio, o terreiro quente mais do que fogo, evaporava a água do céu que caia nele soltando cheiro de chuva pelo ambiente. Anizio vinha devagar pela rodagem montado no seu cavalo, no pé da serra Erondina o esperava em casa toda arrumada de vestido rosa e e perfume cheiroso pela epiderme. Iriam assistir a missa de domingo,único momento que tinham pra ficarem juntos, os Pais da moça era muito severos, e o pai de Erondina não olhava com bons olhos o namoro da filha com um vaqueiro.” Onde já se viu, uma moça estudando pra ser Professora ,namora com Anizio que só aprendeu a ler e escrever pra tapia nossa filha, a única coisa que ele sabe fazer é montar em cavalo e caçar gado fugido pela mata” .Vivia dizendo o homem pra sua Véia. -Mãe! Pai! Abença ! já vou, Anizio chegou. xau! Disse Erondina -Deus te abençoe Filha! volte cedo!falaram ao mesmo tempo os Pais da Moça. Erondina toda contente foi logo montando na garupa do cavalo e saíram galopa devagar pela rodagem em direção a capela. Em pouco tempo estavam assistindo a missa, a capela era pequena mas dava pra cabe todo mundo. O Evangelho daquele domingo falava sobre o sermão da montanha, na homilia o Padre falou que Jesus quis dizer que a bondade é a chave pra chegar ao céu e que pra ser bom é preciso ser bondoso com o próximo. Depois da benção final; Erondina e Anizio montaram no cavalo de novo e retornaram pra casa da moça pela rodagem, iam devagar aproveitando cada instante, conforme se aproximavam da casa da garota,ela abraçava mas forte o namorado e apoiava sua cabeça no ombro dele e dizia baixinho no seu ouvido:”Já estou com saudade meu benzinho!” - Também minha prenda! Mas ano que vem agente se casar! E vai ser vé todo dia.falou Anizio. Nessa conversa chegaram na frente da casa da pequena, se despediram com um beijo de amor e foram contar os dias esperando chegar o próximo domingo pra irem pra missa e depois namora. Humberto Filho 04/11/2018

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Outubro tem mais conto

Conto: Vida Nova Para: Clara, Jair Messias Bolsonaro, Ex. Presidente lula “Tu vai gostar daqui ,Joana” Pensava a moça enquanto o avião tocava o chão paraibano, era a primeira vez que vinha pra’quele estado e seria pra morar, por isso estava numa expectativa só. Conhecia pouco daquela gente sabia que gostavam de forró e que usavam chapéu de couro e comiam farinha e rapadura e cuscuz com carne de bode. A empresa que seu Pai trabalhava o transferiu pra Paraíba , por isso que ela veio mora nesse lugar com sua família. Mas a cidade era diferente do que a moça imaginava; era cheia de prédios e asfalto e automotores que faziam barulhos com seus automotores e buzinas e pessoas que caminhavam apressadas pelas calçadas parecia um pouco com o canto de onde tinha vindo. Joana ficou abobada na 1 vez que viu a Lagoa uma natureza viva no meio da cidade. - Até que a paraíba tem seus encantos!” falou a moça pra sua mãe e as duas sorriram e a Mãe repreendeu a filha dizendo: Joana! Joana ! acalma teu coração nesse lugar agente vai viver em paz! já tou cheia do Glamour e das balas perdidas da nossa terra!” em seguida suspirou. Dois dias depois o Pai da moça, a levou junto com sua esposa pra conhecerem a pedra da boca foi num dia 13 de Maio por causa disso o lugar estava cheio de gente devido a um santuário católico que existia ali e que todo ano naquela data acontecia uma missa. Também pela vez Joana teve contato com gente humilde e descobriu que as pessoas podiam serem felizes com pouca grana. - Filha! Filha! Te criei com muito luxo! Por isso que tu ficou metida a besta! Mas tenho certeza que a Paraíba vai fazer você voltar a ser gente!” Falou o Pai ao nota que a filha estava a olhar com desdém as pessoas que estavam na Pedra da boca. -Ah !Pai! Para com isso !abraça minha Mãe pra gente tirar uma selfie pra mim postar no meu instragram. Disse Joana. Em seguida tirou o selfie retrato onde sua família aparecia feliz. Demorou um tempo pros Paraíba, fazer Joana ser gente mas aconteceu e foi assim Pedrinho um maconheiro que estudava com ela na escola a chamou pra assistirem a Missa na Igreja das Neves depois que fizessem a prova de matemática, naquela tarde de primavera meio sem querer a moça foi e lá nesses mistérios de amor o doce Jesus amou sem medidas sua criatura tanto que pouco depois no centro histórico já a noite enquanto ela dançava maracatu junto com o grupo Nação Maracaiba a moça Joana sorria e cantava assim: “Eu sou da Paraíba, aqui é meu lugar.* ( Tom Oliveira)* E pra todo sempre o bem foi bem. Humberto filho 05/10/2018

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

brincando de viver

Boa noite amigos desconhecidos, o brasil andar dividido por causa da politica eu fico triste com isso. o brasil agora virou sulista e nordestinos. mas Deus cuidar pra no final as coisas melhorarem. eu tou pegando fez por outra uma pequena la no brejo do meu estado. no mais corrupção e falta de sexo na minha cidade. Obrigado por me lerem amigos desconhecidos.

outubro tem fabula

Fabula : Fuga dos patos Para: Clara, Jair Messias Bolsonaro, Ex. Presidente Lula. Os patos do parque da lagoa caminhavam sobre o piso artificial que circundava o espelho d’agua da lagoa e olhavam pra os humanos que iam e vinha como a dizer: “HAVE FUN” pra’quela gente que passava ou permanecia ali em suas dependências, por todo o resto era a cidade algo muito cheio de prédios ,semáforos, buzinas, fumaças e poluição que sai dos automotores e suas derivações sem fala das lojas exemplificação básica do valor monetário de cada pessoa. Os patos jamais saberiam disso souberam sim por meio de uma fofoquage aviaria que existia ali próximo um lugar perfeito um verdadeiro jardim do éden o nome do canto era bica, mas pra chegar la seria preciso deixar a lagoa e andar um pouco pela cidade. Os patos então se olharam cheios de emoções diversas e a líder deles uma pata muito bonita falou assim: - Vamos buscar o novo que é bom! Se fosse um novo ruim eu não saia daqui! E a pratalhada em aprovação a decisão de sua chefe foram nadando até o meio da lagoa e subiram na armação de concentro e gritaram alto como a concorda com a decisão da pata chefe. Dois dias depois aconselhados por uma coruja que vivia na praia do Bessa mas que vez por outra pousava ali pra saber das novidades de Jampa. Partiram a noite pela altas horas da madrugada num desafio imenso de ser manter acordados e vencer os perigos da travessia; a maioria ficou com medo e dos muitos patos foram só três, duas patas e um pato que subiram receosos a avenida do prédio do INSS e cortaram caminho pela rua onde faz o cartão estudantil de lá os patos chegaram de fronte a praça do bispo e com pouco mas chegaram até a bica tão bem que no outro dia os vigias não notaram que tinham chegado três bichos novos no zoológico. Humberto Filho 05/outubro/2018